Make your own free website on Tripod.com
Metodologia adotada

Nas imagens digitalizadas, a cor de cada pixel é armazenada utilizando-se o sistema RGB, representada pela intensidade dos três componentes na escala de 0 a 255: R (red, vermelho), G (green, verde) e B (blue, azul). Como por exemplo: a vermelha pura é de R=255, G=0, B=0; amarela, R=255, G=255, B=0; verde, R=0, G=255, B=0; ciano, R=0, G=255, B=255; azul; R=0, G=0, B=255; magenta; R=255, G=0, B=255; branca, R=255, G=255, B=255; preta, R=0, G=0, B=0; cinza intermediária, R=128, G=128, B=128.

A Fig. 1 apresenta uma imagem digitalizada da superfície polida de uma rocha ornamental, constatando a existência de uma certa variação de cores, na nefelina (cor cinza na figura). O fato significa que os valores dos parâmetros R, G e B nos pixels que constituem a nefelina são variáveis. À primeira vista, não se observa uma variedade muito grande nas cores. Sendo assim, os autores inicialmente imaginavam que a utilização de programas de GIS poderiam analisar as cores dos minerais armazenadas em formato RGB.

O presente trabalho utilizou as imagens digitalizadas das amostras de rochas ornamentais com superfície polida. A digitalização foi com resolução de 600dpi pela captura direta por scanner, conforme MOTOKI et. al., (1999). As imagens digitalizadas das fotografias coloridas e slides não foram adotadas a fim de evitar a perda da qualidade das cores causada pelos processos fotoquímicos. As imagens capturadas foram armazenadas em arquivos no formato não compactado do tipo TIFF e BMP. Os arquivos compactados pela simplificação das informações ópticas, que descartam os elementos pouco sensíveis ao olho humano, tais como JPEG e GIF, não devem ser utilizados. Na realidade, os arquivos nos formatos JPEG e GIF possuem informações muito reduzidas em comparação aos de formatos TIFF e BMP. Mesmo sendo imperceptíveis ao olho humano, a diferença é facilmente observada pelo computador. Obviamente, os arquivos opticamente completos, compactados posteriormente pelos métodos lógicos, tais como os arquivos em TIFF ou BMP compactados por PKZIP ou ARJ, podem ser utilizados.

A análise quantitativa da cor de um mineral escolhido, ou seja, de um pixel que o constitui, foi realizada através de programas gráficos, tais como Adobe Photoshop, Corel Photo-Paint, Paint Shop Pro, etc. (Fig. 2). Em cada amostra, foram analisados, no mínimo, 1.000 pixels. Todos os processos desde a captura até o tratamento das cores foram realizados no modo RGB. Não foi aplicado nenhum tipo de correção de cor, tais como AutoLevel de Photoshop e Level Equalization de Photo-Paint.



Fig. 1 - Imagem da digitalização direta por scanner da amostra de rocha polida de nefelina sienito com nefelina avermelhada (cinza na presente foto), de procedência de Mesquita, Nova Iguaçu, RJ. A resolução óptica do scanner utilizado é 300DPI.



Fig. 2 - Análise de cor de um pixel por meio de Photoshop 4.0, que determina quatro conjuntos de parâmetros de cor: 1) RGB; 2) HSB; 3) CYMK; 4) Lab.



Análise das cores
Retornar
Avançar